Categorias

Mais recentes

CLUBE FAZENDA NOTA 10

CLUBE FAZENDA NOTA 10! INICIATIVA AJUDARÁ QUEM NÃO CONSEGUE MEDIR OS NÚMEROS DO REBANHO

11 de Outubro de 2023

Leia mais

Mais visitados

Aprofunde-se no plano de negócios, pois na prática, nem tudo dá certo

Era o aluno mais motivado de uma turma de um de nossos cursos de gestão de fazendas. A mudança seria radical no projeto, mas ele estava decidido, pois a ideia prometia mui

29 de Março de 2019

Leia mais
Saiba como evitar o desperdício na Pecuária

Para o pecuarista obter maiores índices de lucratividade, em sua propriedade, não basta apenas produzir e vender mais, é necessário também controlar custos e evitar desperdícios, o que acaba ocorrendo

27 de Maio de 2020

Leia mais
Solução Completa para Gestão de Fazendas Lucrativas

A pecuária atual não é mais para amadores, o gerenciamento da empresa pecuária é fundamental. Para ser um excelente gestor, o produtor precisa conhecer os principais indicador

26 de Abril de 2022

Leia mais

Dica para este ano: fique atento a quatro indicadores e foco total no resultado do caixa

Papel aceita tudo, não é verdade? Existem diversas formas de definição de metas do ano, e o mais importante no final das contas é traçar o que se espera para o futuro da atividade. São muitas as formas de cálculo, mas a prática mostra que o resultado do caixa é o que realmente importa para controlar e avaliar se a operação pecuária obteve sucesso. A afirmação é baseada no resultado de 185 fazendas, que somadas chegam a quase 800 mil cabeças, com um resultado da operação pecuária médio de R$ 113,00/ha/ano. Os dados são do Instituto Terra de Métricas Agropecuárias (Inttegra).

Simplificadamente, olhar para a geração líquida de caixa trata-se de avaliar o quanto de dinheiro sobrou no bolso do dono somado a quanto de gado aumentou no pasto. Ao tirar o olho do caixa, o produtor pode passar a privilegiar o patrimônio, o que é importante, contudo não está intimamente ligado à eficiência produtiva e não paga as contas no final do mês.

Quando a geração líquida do caixa não é o foco central, existe o desperdício. A consequência acaba sendo um estrangulamento das finanças, aumento do endividamento e, muitas vezes, o início do processo de extinção da atividade. Há vários exemplos de gestores, que ao obter um financiamento, aplicaram em infraestrutura, casas, máquinas e não pensaram no que de fato garantia o caixa do ano: o boi. O correto é que o recurso seja direcionado para o aumento das arrobas produzidas com eficiência.

Para ampliar essa produção, existem quatro índices que devem ser gerenciados, pois interferem diretamente na eficiência do negócio: lotação, Ganho Médio Diário (GMD), desembolso por cabeça ao mês e valor de venda. Essa conclusão foi baseada em um estudo com 270 índices pecuários, no qual se destacaram os quatro citados pela alta correlação com o resultado da operação.

Lotação – representa a carga animal mantida em uma unidade de área, expressa em cabeças ou unidades animais por hectare. Em clientes Inttegra, a média global (confinamento somado ao pasto) foi de 1,2 UA/ha chegando a 1,9 UA/ha, em média, para os 30% melhores no indicador.

GMD – analisa o ganho médio diário dos bovinos por um determinado período. A média do GMD Global (confinamento somado a pasto) de clientes Inttegra foi de 0,414 kg/animal/dia, chegando à média de 0,611 kg/animal/dia para os 30% melhores no indicador.

Valor de venda – é o valor de venda do produto final como bezerros, arrobas de boi gordo e outros.

É importante ressaltar que a lotação e o GMD são resultados do trabalho da porteira para dentro. Por outro lado, o valor de venda é definido pelo mercado que neste ano ainda se mostra instável e sem perspectivas de alta para o valor da arroba ou do bezerro. Diante disso, os líderes do negócio devem ter foco total em tudo aquilo que impacte na lotação e no GMD. Entre os itens, estão: o pasto de qualidade, a estratégia de entressafra; o investimento em genética, o cuidado com sanidade e o bem-estar animal. Com o foco nestes itens, a produtividade pode ser superior a 12 @/ha/ano, três vezes maior do que a média nacional que não chega a 4 @/ha/ano.

Para fechar a conta, falta ainda um índice que é o desembolso por cabeça ao mês. Ele é como uma impressão digital, pois cada um tem o seu pelas particularidades de cada projeto. Ele é obtido pelo custeio total somado aos investimentos realizados pela fazenda em relação ao rebanho total. Cada fazenda apresenta um perfil que descreve muito bem o estilo de operação. Como referência a média geral dos clientes Inttegra na safra 2015/2016 foi de R$ 54,98 cabeça/mês. Houve quem gastou menos de R$ 30 cabeça/mês, no entanto, no que se trata deste indicador, gastar menos não significa melhores resultados. Os que ganharam mais dinheiro no período registraram um desembolso de R$ 46,28 por cabeça/mês.

Na equação do resultado do caixa, os quatro índices têm pesos diferentes. O maior impacto, por ordem de importância está no ganho médio diário, seguido pelo desembolso, valor de venda e lotação.

Constata-se que o valor de venda apresenta impacto menor que o GMD e desembolso e, em contrapartida, é hoje o que toma mais tempo, esforço e preocupação do produtor. Um equívoco! Estudos da Inttegra mostram que para cada R$ 1,00 economizado em desembolso administrativo, por cabeça por mês, há um ganho de R$ 20,00 no resultado por hectare ao ano. Por outro lado, quem aumenta R$ 1,00 no valor de venda da @ tem aumento de apenas R$ 7,00 no resultado por hectare ao ano. Assim, quem economizou R$ 1,00 ganhou R$ 13,00 a mais por hectare do que aquele que vendeu mais caro. Ou seja, o caminho está muito mais na economia das despesas, do que na valorização de mercado.

É hora de regular o foco para 2017. Vale ter as metas para as quatro variáveis pregadas no quadro para conhecimento de todos e buscar o melhor resultado do caixa.

16 de Fevereiro de 2017

981

Autor

Inttegra
Inttegra

Título